quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

PH -um assunto de Saúde - para se entender e levar a sério



Vamos ao médico, fazemos exames, tantos exames, análises e mais análises, vamos ao nutricionista aprender a comer, vamos ao pediatra para que a Saúde das nossas crianças seja melhor, enfim, temos de admitir que nos esforçamos para ter uma melhor qualidade de saúde.

Mas será que conseguimos?
Será que o Caminho que trilhamos para sermos mais saudáveis está certo?
Podemos fazer TUDO, mas temos que perceber (cada um de nós, não somente o medico), que a nossa saúde depende da qualidade de Vida das nossas células, que por sua vez dependem do EQUILIBRIO ÁCIDO-BASE dos líquidos que se encontram dentro e fora delas.

O que é o PH?
O termo PH foi definido em 1909, pelo bioquímico Soren Lauritz.
Significa literalmente Potencial de Hidrogénio, ou seja o PH usa-se para indicar a concentração de íons de hidrogénio num fluido.
Quimicamente é uma substância dissolvida num meio aquoso, classifica-se como ácida ou alcalina. Quando existe excesso de carga positiva, falamos de um ácido, quando existe excesso de carga negativa, de um meio alcalino.
Para determinar usa-se uma unidade de medida que dá o nome de PH.
E, é atravez deste famoso PH, que determinamos se nosso meio interno, ou seja os tecidos e os líquidos do nosso corpo estão num equilíbrio ácido-alcalino.

Para medir o PH existe uma escala que varia de 0-14, onde:
PH= 0 indica o máximo de acidez.
PH = 7 – indica valor neutro
PH = 14 – indica o máximo de alcalinidade.

Qualquer medição abaixo de 7 é ácida e acima é alcalina.
 É importante perceber que a variação de 1 valor, representa 10 vezes. Por exemplo, PH de 7 é 10 vezes mais alcalino que um PH de 6, assim, qualquer pequena alteração representa uma enorme mudança.

Porque é tão importante para a nossa Saúde?


Quando observamos, o “mundo das formas” este Mundo que experienciamos atravez dos nossos sentidos, percebemos que tudo se mantém dentro de um equilíbrio. Tudo vive dentro da sua própria harmonia, até o nosso sangue.



O PH do sangue humano está entre 7,36 a 7,42. 
Estes valores mostram que nosso sangue é levemente alcalino, e mais importante é que não pode variar além disto, pois iria comprometer a Vida. 
Se o PH do sangue descer para um valor de 6,95, levemente ácido a pessoa poderá entrar em coma.
Há estudos que indicam que as doenças somente prosperam em ambientes ácidos.
A capacidade de transporte de oxigénio pela hemoglobina diminui à medida que o seu sangue se torna mais ácido, por isso um dos sintomas de acidez é o cansaço extremo.
Este equilíbrio é tão importante, que a Natureza não nos colocou no controlo, ainda fazíamos asneira.
Mas é deveras interessante, diria mesmo apaixonante verificar os complexos processos bioquímicos que ocorrem constantemente na tentativa de manter o pH do sangue tão próximo quanto possível da perfeição. É de ser-se grato, a todas as células, que compõem o nosso corpo, pois elas lutam até morrerem para que nós nos mantenhamos Vivos.

O que Causa a Acidez Interna?
Pessoa ácida
O corpo é “ alcalino pelo design, mas as suas funções são acidificantes”, isto significa que todos os processos metabólicos do corpo produzem grandes quantidades de ácido, embora as nossas células e tecidos precisem de um ambiente alcalino, sendo que o corpo vai fazer de tudo para manter este PH alcalino.

As emoções, os sentimentos, as atividades físicas e mentais também têm o poder de acidificar ou de alcalinizar o nosso universo interno.
Na prática significa que o nosso corpo necessita de um combustível alcalino (comer alimentos de natureza alcalina, ter somente emoções e pensamentos positivos) sendo que o subproduto das actividades humanas é ácido.

Esta Acidificação não ocorre apenas pelas suas próprias funções corporais, mas por um desequilíbrio na dieta, que nos dias de hoje, é altamente acidificante, produzindo um meio ácido para células, tecidos, órgãos e finalmente sangue. 
Este desequilíbrio prepara o palco para o caos, abrindo a porta para doenças, doenças de todos os tipos.
Os pensamentos ou os estados emocionais negativos também produzem acidez, assim como um estilo de vida sedentário. Medicamentos, radiações, produtos químicos, que se encontram na água, no ar e na comida também agravam o problema.


Temos que reduzir muito, muitíssimo os alimentos que dentro do nosso corpo tem uma acção ácida.
 Por exemplo: açúcar branco (toda a doçaria), farinhas brancas, carnes e proteínas animais, fritos, alimentos com aditivos, alimentos industralizados, as refeições cozidas-congeladas-aquecidas (muitas vezes no micro-ondas), refrigerantes, etc. Estes e muitos mais a que chamamos alimentos são conhecidos pela sua natureza biocida (matam a Vida), e nós só vivemos muitos anos, porque fomos feitos maravilhosamente. Mas vivemos doentes (hoje fala-se na famosa cronicidade, grande parte das doenças – dizem os médicos – são crónicas – para toda a vida), e estes alimentos são os grandes culpados da baixa de vitalidade e produtividade do organismo, são os grandes culpados pelas nossas acompanhantes doenças.

 Porquê?
Principalmente porque o processo de metabolização destes é ácido, provoca uma descida no PH interno.
Então, se a nossa alimentação se basear em farinha branca (pão, massas, etc.), carne, sopa (feita 1 vez por semana, congelada e aquecida), sobremesas doces, bolachas, chocolates, leites e derivados, e junto com isto assistir aos telejornais com toda a sua carga negativa, vamos ficar muito ácidos.
Mas já sabemos que o sangue não pode descer abaixo de 7, 36, logo a Sabedoria Interna do Corpo, tem de equilibrar este PH.
Como? 
Indo buscar onde existir reservas alcalinas (bases) para promover o equilíbrio. Normalmente estas reservas, que são basicamente minerais alcalinos estão nos ossos, nos dentes, em tecidos do nosso corpo.
 Há quem defenda que a osteoporose não é falta de cálcio, pois ele somente sai do osso, porque o meio é ácido.

Um corpo saudável tem sempre uma reserva de minerais alcalinizantes para qualquer emergência. Mas se há poucas reservas, se os alimentos ingeridos não oferecer, então a inteligência interior vai buscar noutro lugar que pode ser ao sangue (sódio e o potássio), ossos e cartilagens (cálcio) ou músculos (magnésio) onde existir. Isto leva a deficiências e a vários estados doentios.


 Que alimentos alcalinizam o nosso sangue?

 Os sais minerais são os principais responsáveis pela manutenção da nossa saúde celular, sustentam o nosso corpo (sangue, músculos, tendões, dentes) alcalinizam ou acidificam o nosso meio interno, consoante a necessidade do organismo.
Os alimentos que mais contribuem para este estado de equilíbrio são as frutas frescas e secas, as sementes (cruas e germinadas), raízes, legumes, todas as folhas verdes, e tudo CRU, da forma que a Natureza criou – porque somente ingeridos desta forma, podem nos dar os sais minerais, enzimas digestivas, vitaminas, agua e fibras, ou seja nutrir o corpo e alcaliniza-lo.


Um Estudo
O dr. Alexis Carrel, fisiologista francês, ganhador de premio Nobel, conseguiu manter vivas, por 28 anos células cardíacas de embrião de galinha.
De que forma?
Mantendo estas células, banhadas por um líquido ligeiramente alcalino.
Se queremos que nossas células, as que formam o nosso corpo, sejam longevas, temos que proporcionar a adequada alcalinização aos líquidos corporais. E assim aumentar a longevidade celular e a nossa.

Para mim, esta explicação sobre o Ph, faz todo o sentido, TUDO é limitado dentro de uma norma.
A verificação dele (PH) dá-nos um feedback de como estamos a cuidar da “casa” da nossa Alma.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Magnésio – o mineral da Vida

imagem copiada net

Os alimentos são o combustível do nosso corpo, além de participarem na formação das peças de reparação.
Para que cada peça possa ser substituída e formada da melhor forma possível, é necessário que o nosso corpo tenha o balanço correto dos minerais.

Um mineral extremamente importante para o nosso corpo é o Magnésio.
É necessário em mais de 350 reações enzimáticas essenciais à vida. Age diretamente na produção de ATP, na molécula de energia do nosso corpo, além de estar envolvido no trabalho e formação de vários órgãos e tecidos.

BENEFICIOS DO MAGNÉSIO
-Ajuda na fixação do cálcio e do fosforo nos ossos e dentes.
- É um tranquilizante natural que mantém o sistema nervoso em perfeito equilíbrio, por isso é/deve ser recomendado nos tratamentos de stress e depressão.
- Previne os cálculos renais, visto que mobiliza o cálcio.
- É um anti-ácido e um laxante.
- Muito útil nas grávidas, para prevenir partos prematuros, assim como manter o útero relaxado.
- Intervém no equilíbrio hormonal e diminui as dores pré-menstruais.
- Atua no sistema neurológico, favorece o sono e o relaxamento.
- Protege-nos das doenças cardiovasculares, essencial para estabilizar a atividade do músculo cardíaco.
- Necessário para quem sofre de hipertensão.

 É um mineral muito difícil de medir laboratorialmente, pensa-se que mais de 80% da população carece dele, mas podemos perceber isso através de vários sintomas de alerta, como:
- Irritabilidade e instabilidade emocional
- Diminuição dos reflexos
- Descoordenação muscular
- Apatia e debilidade, pouca energia
- Prisão de ventre
- Taquicardia

Além disto a carência de magnésio é um dos fatores para:
- Hipertensão
- Diabetes
- Asma
- Enfarte do miocárdio e problemas cardíacos
- Osteoporose e caries
- Hipocalcemia (redução de cálcio no sangue)

Pode-se agravar a deficiência de magnésio na presença de:
- Diarreias graves
- Insuficiência renal cronica
- Alcoolismo e nos fumadores
- Alimentação desnutrida
- Diabetes
- Abuso de laxantes

- O excesso de cálcio diminui a absorção de magnésio (atenção à toma de suplementos de cálcio).
- Os fosfatos presentes nas bebidas artificiais como “colas” também prejudicam a absorção.

Como obter o Magnésio

- Nas folhas verdes - por isso não me canso de publicitar a toma do SUCO VERDE, não é uma moda, é uma necessidade nutricional.
No centro da molécula de clorofila, presente nas plantas verdes, está o nosso amigo Magnésio. É ele o responsável pela captura da luz solar e pelo processo que conhecemos como fotossíntese.
A clorofila é quase idêntica à hemoglobina (uma molécula presente no nosso sangue e responsável pela oxigenação dos tecidos), a diferença entre as duas é que no centro da hemoglobina temos o ferro, e no centro da clorofila temos o magnésio.
- Frutos secos – Sementes de abobora, de girassol, de sésamo, amêndoas, avelãs, nozes e castanhas.
- Cereais – arroz integral, trigo integral, gérmen de trigo.
- Nos germinados
- Frutas – banana, abacate e as uvas (passas).

Não sou muito adepta de suplementos, a não ser em casos necessários, a Humanidade tem de perceber que a ALIMENTAÇÃO É NUTRIÇÃO CELULAR, o que para mim se traduz numa alimentação na qual a maior parte dos alimentos são consumidos no seu estado natural – crus e vivos, até porque a refinação dos alimentos produz uma perda de 85 – 99% do magnésio e a cozedura uma perda de 50%. Assim as pessoas que comem a maior parte dos alimentos cozidos, neste caso as folhas verdes, têm maior necessidade de suplemento.

Tudo o que está escrito acima, está comprovado, existem estudos que o mostram, no entanto a medicina moderna ignora o magnésio, quem se lembra de ir ao médico com hipertensão, com diabetes e na lista dos medicamentos vir o magnésio?

Sem magnésio, as plantas não podem utilizar a energia da luz do sol e nós não existiamos... sem ele nas nossas células.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Natal e o seu verdadeiro significado

imagem tirada net

Temos refletido pouco, sobre algo tão importante como o Natal.
É triste comprovar como em pleno apogeu de luzes, de enfeites, de presentes, de árvores cheias de bolas e de tanta luminosidade … Não sejamos capazes de entender mais além de tudo isto que impulsiona nossos desejos superficiais e que muitas vezes nos leva para longe da nossa verdadeira essência…da “nossa casa”.

A “nossa casa” não é um conjunto de paredes de tijolos com vários metros quadrados, localizados numa determinada localização geográfica.
A “nossa casa” é a Vida, é a nossa essência vital, é o lugar onde encontramos a Paz e o Amor.

Somente aqueles que crêem em algo transcendente à matéria, encontram “sua casa” especialmente nestes tempos tão revoltosos, em que tanta coisa ocorre, sem percebermos o sentido.

As estatísticas são negativas, quando nos apresentam que uma em cada cinco pessoas adultas com quem nos cruzamos nas ruas não têm emprego, a cada dia mais casais que prometeram amor, quebram relações,e na véspera de Natal muitos ficam desesperados pelas noticias que ouvem, que lhes fomenta a Ira, o Ódio e o Medo (IOM).

IOM parece ser a nova estratégia de guerra do Sec. XXI.
 Criam-se desordens e transtornos antes inexistentes, geram-se conflitos que não fazem sentido, argumentos e paixões que resultam em IOM alimentado principalmente pelos programas de TV, onde a OIM se vê diariamente.

É neste contexto que chega o Natal, junto com toda a estratégia social para que as pessoas comprem os regalos de “glamour” das agressivas campanhas publicitárias.

Estamos com uma sociedade decadente, agonizada, absolutamente apegada ao chão, que olha o ceu, e pensa que de “de lá de cima” chegará a solução que não quis olhar dentro de si, semelhante a alguém que viaja num avião e que pode decidir aproveitar a viajem e olhar a beleza das nuvens, as camadas superiores da atmosfera, os contornos geográficos das ilhas ou continentes, ou então decidir ler o jornal e olhar constantemente o relógio para verificar se falta muito para a viagem terminar, descer do avião de forma nervosa, correr, chegar em primeiro, mas receber ao mesmo tempo que os outros a sua mala de viagem.

A nossa Vida assenta nestas decisões. Não importa o que se passa do lado de fora, desde de dentro de nós temos a responsabilidade de eleger o que queremos Ser, Ter e aprender com as supostas ameaças, que não são senão oportunidades que nos envia o nosso próprio “Eu” para diminuir o “Ego” que todos criamos em serie.

Talvez o Natal seja a altura perfeita para parar e refletir. Perceber se levamos implantado em nós o IOM ( Ira+òdio+Medo) que bloqueia nossos centros de comando e fazem-nos tomar decisões baseadas no IOM, tornando-se este o pior vírus da Humanidade.

Reflitamos neste momento e vejamos:
A)    Opção Natal Nº1

1 – IOM+ Inveja=Vontade de destruir o outro(a) = Destruição+ Dor + Trauma = Infelicidade Pessoal Constante (IPC)

2 – IOM + Insegurança = Infelicidade Pessoal Constante (IPC) =Danos desproporcionais

3 – IOM + Stress = Danos Desproporcionais C/ efeitos colaterais ( DDEC)

No entanto, podemos sempre escolher outra realidade supersimétrica da mesma equação:
B)    Opção Natal Nº 2
Truques para dissipar o IOM:

- Apagar a Televisão.
- Dizer ao companheiro aquilo que sente a cada dia.
- Tocar piano, guitarra ou cantar melodias que desejamos fluir.
- Sorrir aos familiares.
- Sentir o abraço sincero dos que nos amam.
- Emocionarmos.
- Abraçarmos.
- Olhar a paisagem por onde passamos e não pensar em tempo.
- Abraçar “nossos irmãos” e dar-lhes o nosso melhor sorriso.

Para vivermos esta opção 2, não precisamos de mais nada exceto de um prato de sopa, de um teto, da “nossa casa interior” e de muito Amor Incondicional. Esta forma de ver a Vida não é real para quem está arraigado no IOM, não conseguem, não podem ver.

Tirem as vossas conclusões.
Muitos estão a decidir viver no AMOR e não no IOM, por isso todos os dias é Natal.
Feliz Natal

Texto traduzido e adaptado por Fernanda Ferreira do site de Raphael Lopez Guerrero.



Arnold Ehret- um dos Mestres da Desintoxicação


O professor Arnold Ehret, foi o criador do sistema de cura – Dieta Amucosa.
 Nasceu a 27 de julho de 1866, em Freiburg.

Apesar de não possuir uma licenciatura em medicina, parece que estava destinado a realizar a sua missão como medico.

Estamos a falar no período final de 1800 para 1900, quando a classe médica utilizava o mercúrio para curar doenças, baseando-se nas teorias de Pasteur, de que o micróbio era a causa, parece que não evoluímos muito, continuamos a considera-lo o alvo a abater.

Foi-lhe declarado uma doença incurável.
Os médicos da época deram-lhe uma sentença de morte, mas como há males que vêm por bem, este prognóstico fez despertar o seu espirito indomável, que acabou por ser uma característica marcante deste homem maravilhoso.
Sua determinação em curar-se foi tão bem sucedida, que muitos outros sofredores o obrigaram a ajuda-los a recuperar a saúde.

Desmascarar as causas da doença
Para desmascarar as causas das doenças, foi estudar para Berlim, mais tarde abriu uma clinica na Suiça.
Em contato direto com milhares de pessoas, ele adquiriu todo o seu conhecimento pratico sobre Saude, pois reza a historia que muitos se recuperaram mesmo de doenças incuraveis.

A forma como levava o seu trabalho, demonstrava que não prevalecia interesses económicos, além disso a sua vida extremamente frugal não lhe exigia grandes preocupações financeiras.
Arnold Ehret era Vegan e defendia os direitos dos animais

O que é o sistema de cura - Dieta Amucosa?

Em primeiro lugar é importante perceber - o que é um sistema?
Um sistema é uma serie de procedimentos ou métodos para realizar certas ações que conduzem a um resultado preciso.

O que é a Cura?
Neste caso, o resultado desejado é a Cura.
E cura, NÃO é unicamente o estabelecimento de saúde através do desaparecimento de sintomas.
Uma pessoa tem dor nas costas, o médico administra-lhe analgésicos anti-inflamatórios, e a dor vai embora. É normal que volte aparecer numa próxima vez e outra mais, tornando a situação cronica.

A definição de Cura que pertence ao entendimento da Dieta Amucosa de Ehret é a seguinte:
A cura é um processo natural, onde o corpo se equilibra.
O objetivo da dieta é ajudar o corpo a reparar-se e gradualmente ir removendo todos os obstáculos, como os depósitos de material fermentado, toxinas, venenos, produtos químicos, mucos e tudo aquilo que não pertence à composição natural do corpo. Micróbios, bactérias ou vírus, o que você quiser chamar, não vão crescer num solo limpo fisiologicamente, podem passar "umas férias", mas não vão gostar, vão embora.

Erhet, achava que os humanos na época (imagino se ele visse as nossas despensas e frigoríficos nos dias de hoje) tinham uma dieta que criava muco, e que podemos sinonimizar como toxicidade interna.

Neste caso, muco é um termo com um sentido mais alargado do que simplesmente uma secreção nasal ou a secreção da membrana protetora intestinal.
Muco, é uma substância na maior parte das vezes pegajosa, tipo catarro, colesterol, pus, etc… sempre que existe uma inflamação, seja em que local do corpo, existe sempre muco. Sempre que se desenvolve uma …ite ou uma…ose é porque no local existe condições mucosas para que isso suceda.

É interessante verificar, que Ereth não é o único a falar em muco, a Medicina Tradicional Chinesa à 5000 anos que fala em mucosidade e vai mais longe diferenciando-a em vários tipos, como mucosidade-calor, mucosidade-frio, etc…

Resumindo, toda a “Cura” que ele restabelecia era assente na ideia de que por trás de todos os problemas, a causa por traz de todas as mucosidades era UM CORPO INTOXICADO.
Se estava intoxicado, tinha “coisas” que bloqueavam os circuitos normais, assim como as suas funções, além de trazer sintomas desagradáveis e dolorosos.
A sua principal e única “receita” era a DESINTOXICAÇÃO.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Grama de Trigo - medicamento verde



Todos nós, doentes e não doentes, precisamos deste alimento/medicamento milagroso.
Ele limpa, nutre, e reconstitui o sangue.
É barato, simples de fazer, de beber, 30ml dele repõe vitaminas, aminoácidos, minerais e muito oxigénio - SUCO DA GRAMA DO TRIGO (única forma de ingerir a grama)

É uma excelente fonte de clorofila, o chamado “sangue verde”, que tem entre outras funções, a de desintoxicar, de proteger o fígado contra substâncias poluentes, fortalecer o aparelho circulatório, regularizar os intestinos, dar proteção anti-cancerígena, além de ser antisséptica e cicatrizante.

Quando fazemos um suco com as folhinhas acima, sabe o que estamos a ingerir?
Vitaminas – Vitamina A, complexo B, k,…melhor dizendo o alfabeto inteiro.
Minerais – Contém quase todos os minerais conhecidos, excelente fonte de magnésio, ferro, potássio e cálcio, com a grande vantagem de que não contém sódio.
Aminoácidos – 17 diferentes
Além de tudo isto, oxigena o nosso corpo o que proporciona mais energia, ou seja carrega as baterias para vivermos a Vida.

A grande pioneira no uso do suco da grama do trigo (Wheatgrass) foi Ann Wigmore, que fundou em 1968 o Instituto de Saude Hipócrates, ficou conhecida como a “mãe dos alimentos vivos”. 
No seu resort de saúde nos EUA, ela usava técnicas naturais como alimentação viva e suco da grama do trigo tanto bebida como em forma de enemas para desintoxicar, curar o corpo, a mente e o espirito.
Usou o suco da grama de trigo no Cancro, e defendia que ele atuava contra esta patologia com varias frentes, pois ela própria aos 50 anos foi diagnosticada com cancro do colon e consegiu curar-se sozinha com uma dieta de frutas, vegetais e sementes.

Para mim, a grande justificação para que eu o tome (reconheço que tenho tomado pouco) e o recomende é por ser um dos alimentos mais alcalinos conhecidos pela humanidade. Não importa o nome da doença e a sua localização, nenhuma doença se desenvolve em meio alcalino.

Como vamos produzir este Alimento/medicamento?
Antes de tudo, com Amor, com dedicação, com o prazer de ver brotar, crescer e depois fazer parte de nós.



 Colocamos 3 ou 4 colheres de sopa de grãos de trigo, num frasco com água durante toda a noite, para que a semente acorde.
De manhã, lavamos muito bem, escorremos a água, tapamos o frasco com um pedaço de tule e elástico, e deixamos num local escuro com a boca do frasco inclinada para baixo.
Lavamos as sementes 2 vezes por dia, até surgir o “narizinho” branco.
Espalhamos-as, num recipiente (pode ser em caixas de esferovite, de transporte de alimentos) com terra fertilizada (sem químicos), cobrimos ligeiramente com mais um pouco de terra, e regamos.

A grama vai crescer….para nosso corpo fortalecer.

Como usar?

Quando a grama tiver com 10 ou 15cm de altura, corta com uma tesoura (deixa ficar porque volta a crescer uma segunda vez) e junta ao suco verde, ou bate somente com água, ou com sumo de maçã, neste caso cada um tem de escolher o que mais lhe agrada.
O suco tem de ser coado, e bebido de imediato.




A Natureza mostra que ninguém adoece por um fator, nem se cura por um fator, nada funciona isoladamente, mas o suco da grama do trigo pesa no lado do bem.


sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Aqueles que não conseguem ter tempo para serem saudáveis, podem finalmente ter tempo para estarem doentes

imagem copiada net

Somos assim, queremos colher sem ter o trabalho de semear. 
É verdade, habituamo-nos que tudo se compra, não se cria e não se constrói, compramos, delegamos o nosso trabalho a outros.

À dias falava com uma senhora que me dizia: “ depois dos meus 45 anos tudo mudou, tenho diabetes tipo 2, colesterol e trigliceridos muito elevados, a medicação não me faz efeito,… não sei o que fazer…até como pouco, reduzi muita coisa,…meu pequeno-almoço é uma bica e um pastel de nata, não como mais nada até ao almoço…etc…

Não gosto muito de me intrometer na filosofia de vida das outras pessoas, mas  a vontade de ajudar surge, e lá vou eu dizendo umas e outras, começo devagar para sentir o efeito produzido para perceber se a pessoa é recetiva a tratamentos naturais ou não.
Na maioria dos casos as pessoas ouvem, mas parece que já têm em mente o que querem ouvir, o nome de uma planta ou de um produto que possam comprar na ervanária e que faça o “milagre”.

Mas eu costumo começar por aquilo que considero o princípio, e digo que devia de reduzir muitíssimo a carne (para não dizer não coma), pouco peixe, não beba lácteos,…etc…
Falo nas saladas, nos leites vegetais, nos sumos de fruta e folhas verdes, na colocação de argila aqui ou ali…coisas simples…

“Isso dá muito trabalho”, é uma das expressões que normalmente oiço e que me confunde, porque para mim o me daria trabalho era ir para o posto médico, depois para o hospital, depois fazer exames, procurar sem lá eu o quê,depois tomar a pilula do colesterol, do diabetes, da tensão e o do “que faz cama para os outros” chamado de omeprazol,… isto lembra-me uma frase que li algures:
Aqueles que não conseguem ter tempo para serem saudáveis, podem finalmente ter tempo para estarem doentes.”

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Manuel Lezaeta – um Naturopata-Higienista a seguir


No meu antigo Blog, já tinha escrito este poste, mas acho importante e interessante voltar a coloca-lo.

Eu sou uma seguidora de Manuel Lezaeta, tudo o que ele diz para mim faz sentido, de tal forma que quando abrir a “Casa da Saúde Natural” literal quero usar os tratamentos dele, pode ser ilusório visto a formação da mente atual estar muito afastada da realidade de Cura de Lezaeta. 

À meia hora atrás falei com um Senhor, que fez uma cirurgia à menos de 1 mês, ía para o medico pedir “alguma coisa” para a constipação (resfriado), como se houvesse uma pilula para uma constipação.


Mas…vamos conhecer um pouco da história de Lezaeta na primeira pessoa:

“Decorria o ano de 1899 quando entrei na Escola de Medicina da Universidade do Chile, dirigida então pelo Dr. Polhamer. Entre outros recordo os meus mestres David Benavente de Anatomia, Dr. Adeodato Garcia Valenzuela, de Química e Dr. Anrique de Física e os meus condiscípulos, depois eminentes médicos, Drs. Vargas Salcedo, Diaz Lira, Guilglioto, etc.

Vitima das chamadas doenças sociais, vi-me obrigado a interromper os meus estudos médicos, os quais não recomecei depois em virtude de reconhecer o fracasso da medicina para restabelecer a Saúde.

Durante alguns anos, fui tratado por professores e especialistas de Santiago, com tratamentos dispendiosos, que só conseguiram agravar as minhas doenças, que foram complicando de ano para ano.
Perante tanto fracasso da chamada ciência médica, dei-me por vencido no meu desígnio de libertar-me dos meus males, que me faziam a vida intolerável e resignei-me em morrer em breve prazo.

Fugindo de mim mesmo, cheguei num verão a uma povoação do Sul do Chile e, na véspera do meu regresso à capital, um monge capuchinho tropeçou comigo à saída do hotel onde estava hospedado e, olhando-me fixamente, interrogou-me: - Vieste para me ver?
- Não, padre. Respondi.
- Anda à minha consulta, porque estás muito doente. Continuou ele.

Era o padre Tadeo. 
Sem o procurar, a Divina Providencia punha-o no meu caminho para me salvar a vida.
Abatendo o orgulho profissional que aos alunos se impõem na Escola de Medicina, apresentei-me à consulta do Padre Tadeo, o qual observando a minha garganta, me disse: - Dá graças a Deus de estar aqui, porque estás tão doente que, se não seguires o meu tratamento, vais morrer em breve.

Apesar de compreender a grande verdade desta sentença e, sentindo que cada noite que se aproximava era a ultima da minha vida, manifestei-lhe que tinha em meu poder, atestados médicos dos meus professores que comprovavam a ausência de micróbios da infecção sifilítica no meu organismo e que agora era apenas uma vitima de neurastenia.
- Enganaste tu e enganam-se os médicos, a doença está no teu sangue. Respondeu-me o padre.

Recebi a “receita” que prescrevia passeios descalços pelo orvalho da relva ao nascer do Sol, fricções de água fria a determinadas horas, enfaixamentos húmidos em todo o corpo, alternando com banhos de vapor de caixa, excursões com subida de montanhas, etc. etc.
Ainda que parecesse difícil que com estas praticas pudesse recuperar a minha Saúde perdida, submeti-me a elas com pontualidade.

Antes de quinze dias de aplicação deste tratamento, abriu-se-me um horizonte de felicidade e bem-estar desconhecidos, mas ao mesmo tempo aparecia um abundante fluxo uretral que os médicos me haviam “curado” anteriormente, impedindo a sua expulsão do corpo e obrigando este a reter essas matérias corrompidas que me causaram inflamação prostática, aperto da uretra e até retenção de urina. Também se me incharam os gânglios das virilhas, axilas e pescoço, aparecendo também erupções e chagas em todo o corpo.
Com estes sintomas voltei à consulta e disse-lhe:
- Estou apodrecido Padre, veja o que se passa…
- Estás salvo, agora vais expulsar a doença que os médicos lançaram no teu sangue. Foi esta a resposta.

Durante mais de um ano estive eliminando pus pela uretra, chagas e abcessos, sem notar qualquer complicação e sentindo cada dia a felicidade de viver nunca antes conhecida, pela qual dou graças a Deus, conservando-a até à data com 74 anos de idade.
Ante a eloquência destes factos, compreendi que as drogas eram incapazes de devolver a Saúde perdida e que esta só podia manter-se e recuperar-se mediante a acção dos agentes vitais que oferece a Natureza, como o ar, a luz, o sol, água fria, a terra, as frutas e os vegetais crus.

Tomei então a resolução de dedicar a minha vida inteira ao estudo, pratica e difusão da verdade no que respeita à Saúde, a qual providencialmente tinha chegado a conhecer à margem da medicina facultativa.
Durante nove anos segui a seu lado o sábio ensino e as práticas do Padre Tadeo Wisent. Tendo este sábio capuchinho alemão abandonado o Chile para ir curar leprosos na Colômbia, dediquei-me a estudar as obras de seus mestres, especialmente a celebre cura de Monsenhor Sebastião Kneipp.” Copiada do livro de Lezaeta

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Má Digestão…a Hidroterapia ajuda.


De manhã, pelo menos uma hora antes do pequeno-almoço, beber aos goles 1 copo de água tépida, ou quente no caso de excesso de acidez gástrica.
Fazer depois, flexões com os joelhos, se possível diante de uma janela aberta, e massajar o abdómen energeticamente com a mão humedecida em agua fria, durante 5 minutos: ouvirá um gorgolejo quando a agua passa do estômago para o intestino. Depois disso tomar um banho a 35º-36º, que deve terminar com uma aplicação de duche frio.

Para aliviar o estômago da congestão crónica, desvia-se o sangue para a superfície mediante compressas frias duplas abdominais, aplicadas 2 vezes por dia, sendo uma delas no momento de ir para a cama. A compressa conserva-se pelo menos 1 hora.

A Hidroterapia em geral é utilizada para dar tonicidade a todo o corpo e regenerar a capacidade digestiva. Bastam para o efeito duches frequentes no estômago e abdómen, depois em todo o corpo, começando a 36º , descendo gradualmente a temperatura à medida que se for habituando, até usar agua fria. (1)

(1) do livro de Grudun Dalla Via  - a Hidroterapia

quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Tratamento Natural da Tosse


A tosse não é uma doença.
A tosse é um farol de aviso, indica que alguma coisa não está bem, é usada pelo corpo como mecanismo de defesa para expulsar mucosidades, ou corpos estranhos que se alojem no sistema respiratório. Pode surgir acompanhada de outros processos ou como situação pontual perante um foco irritante.

Quando a medicina Chinesa explica o sintoma tosse, verifica se a tosse vem acompanhada de sintomas de calor ou de frio.
Se a pessoa além da tosse, tem calor, secura, expectoração amarela e piora em locais quentes ou perto de caloríficos, então temos de refrescar a dieta, ou seja beber mais agua, sumos de fruta (pêra é uma boa opção), sopa fria, saladas e frutas.
Se, pelo contrário tem frio, e a tosse vem acompanhada de uma mucosidade clara e abundante, temos de “aquecer a dieta”, sendo indicado as sopas quentes com alho e gengibre.

Uma das receitas da medicina ayurvédica para “aquecer”é a mistura trikatu, que consiste em misturar 2 partes de anis, 1 parte de gengibre, 1 parte de pimenta preta em pó com um pouco de mel, para formar uma pasta. Tomar 1 colher antes das refeições.
O alho e a cebola são dois alimentos desde de há muito indicados para qualquer tipo de tosse.
O mel é um dos alimentos imprescindíveis na hora de acalmar a tosse. Tomar junto com chás de plantas para a tosse.

A minha receita para a Tosse
Ingredientes:
Meio molho de agriões
3 Dentes de alho
1 Nabo (ou rábano) de cabeça
1 Colher de sopa de tomilho
1 Colher de sopa de alecrim
1 Limão
2 Folhas de eucalipto
Mel de boa qualidade (coalha no inverno).

Numa tigela de vidro ou barro com tampa, colocar o nabo às rodelas, cobrir com mel (não é preciso muito), agriões, mel, alecrim, mel, alhos, e assim sucessivamente terminando com as rodelas de limão e por cima mel.
Tapar. No dia seguinte está pronto a beber.
Pode ser administrado mesmo a crianças pequenas.
Adultos: tomar de 3 a 5 colheres de sopa.
Crianças: 3 a 5 colheres de sobremesa.

Este xarope é bem económico, tem o privilégio de ser feito por nós, enquanto o estamos a confeccionar sempre podemos enviar amor e carinho e uma energia de cura, para a pessoa que o vai tomar.
Durante o inverno pode permanecer fora do frigorífico, sendo a sua durabilidade de 3 dias, logo o melhor é ir fazendo. Nos casos mais benignos não volta a fazer, porque a tosse se foi.

ChuChu - Fruto Importante



Muitas vezes sou presenteada com legumes e frutas que crescem nos quintais perto de minha casa e ontem à minha porta estava um saco com Chuchus.

O Chuchu, assim como o tomate é considerado um fruto, pois possui sementes internas envolvidas pela parte comestível.
Praticamente não tem sabor, por isso é muito usado na sopa, mas no meu caso que pouca sopa como, tive de o introduzir em outras formas de consumo, como por exemplo no suco da manhã.
Ingredientes:
- 1 laranja
- meio Chuchu
- 3 maçãs pequenas
- 1 cenoura
- folhas de bróculos, folhas de malvas e de serralha.







Um copo cheio de espirito verde, cheio de enzimas, cheio de "tudo de bom para as celulas"





È importante consumir chuchu?
Este fruto, que nasce numa trepadeira representa uma importante fonte de ferro, magnésio, potássio, fosforo e cálcio, além do seu alto teor de fibras.
Como propriedades terapêuticas, ele é diurético, cardiotónico, hipotensor e antidiabético.
Muito recomendado na hipertensão.


terça-feira, 4 de dezembro de 2012

E Se a Sida não for a “Sida”??

Dr.Luc Montagnier 
 Atualmente, o tema Sida é um dos assuntos mais quentes no chamado direito à responsabilidade social.
E, se a Sida não fosse a “sida” que nos explicaram, da qual nos meteram medo?
Não devia a Ciência estar ao serviço da Sociedade? De uma forma imparcial, sem “artificialidades”?

O que é o HIV ou VIH?
O HIV (Vírus da imunodeficiência humana foi isolado em Paris por Luc Montagnier em 1983 e pertence a um grupo de vírus denominados retrovírus.

O vírus copia seu material genético dentro do material genético das células humanas, o que significa que as células são infetadas para o resto das suas vidas. O vírus não pode replicar fora da célula viva.
Quando os vírus se replicam, eles fazem isso com tal precisão que provoca mutações na sua própria configuração.
A capacidade do vírus para sofrer mutações é de tal ordem que torna impossível o sucesso da terapia antiviral.

No entanto, é o mesmo homem, Luc Montagnier que 29 anos após sua descoberta contesta a informação generalizada e propagada até aos dias de hoje sobre o HIV/Sida.

O premio Nobel de medicina Luc Montagnier, quem supostamente descobriu o vírus fantasmagórico da Sida, vírus este que misteriosamente e incrivelmente ninguém ainda o conseguiu fotografar, apesar de dispormos de microscópios eletrónicos capazes de fotografar um só átomo, este mesmo homem muda agora a sua posição sobre o assunto e declara que se pode curar a Sida sem vacinas e sem medicamentos e que simplesmente esta misteriosa doença se pode combater com antioxidantes, uma higiene intima, uma agua de qualidade e uma alimentação equilibrada e saudável.

Estamos a ficar loucos, ou é a ciência que nos transmite mensagens inconsistentes?

Para provar que um vírus existe há que cumprir um protocolo que consiste em obter um conjunto de fotografias do vírus em questão nas suas diferentes fases, desde de fotografar o processo de infeção da célula, até á sua multiplicação, etc.
O curioso é que este protocolo não se cumpriu nunca com o vírus HIV, e isto nos dá a entender que tal vírus nunca existiu e que portanto a Sida, a doença infeciosa que nos falaram, talvez seja uma conspiração cientifica, medica e farmacológica que a sociedade global enfrentou nos ultimos trinta anos.

Uma entrevista feita a Luc Montagnier, autor do isolamento do presumível vírus do HIV diz que a doença não é mortal. Então porque nos fazem crer que é mortal?
Porquê que já morreu tantas pessoas com esta doença se o HIV não é o causador, por acaso serão os medicamentos?
Será que o HIV não igual à Sida?
Será que Sida é sinonimo de detioração extrema do sistema imunitário?
Porquê? O que causa esta detioração?
- Má alimentação
- Químicos
- Fatores biológicos como doenças

Apesar dos meios de comunicação não referirem este assunto, consideramos de interesse extremo as declarações do próprio Luc Montagnier – o que está a acontecer com a ciência quando desenvolve temas que nada tem a ver com os descobrimentos do descobridor?

Que interesses servem a ciência atual?
Se o premio Nobel de medicina nos diz tudo isto…? O que se passa?

Não é só Luc que discorda. Outros cientistas também, tais como:
Dr. Peter Duesberg, Dr. Chistian Fiala, Dr. Marco Ruggiero, Dr. Daniele Mandriole, Dr. Kalus, Koehnlein têm publicado num artigo onde afirmam que a suposta epidemia do HIV nunca existiu.

Veja o vídeo, perceba que não é uma conspiração contra…  oiça as palavras do próprio  Dr. Luc Montagnier:



Traduzido e adptado por Fernanda Ferreira do site Rafael Lopes Guerrero – Misterios de la astrofísica.

segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Limpar o Rim


Os rins constituem uma das defesas mais poderosas do organismo e o seu bom funcionamento depende em grande parte da Saúde geral da pessoa.

Na Medicina Tradicional Chinesa o RIM é frequentemente referido como a “raiz da vida” , local do Portão da Vitalidade, Fonte de todos os sistemas internos.

A Natureza mostra que os rins têm a função de eliminar resíduos do natural desgaste orgânico, podendo assim trabalharem sem interrupção até ao fim da nossa vida.

Mas, o Homem foi criado e educado por uma Sociedade que o afastou do Natural, passou a ter uma alimentação inadequada, passou a ingerir e a respirar produtos e medicamentos que a natureza do corpo suporta mas que não tolera muito tempo, o que se traduz numa acumulação de impurezas, e como resultado os rins sobrecarregados do seu trabalho, irritam-se e congestionam-se progressivamente, comprometendo assim a nossa Saúde, e encaminha-nos para os centros de Hemodiálise.

A receita abaixo é muito antiga, e há muito que se defende o seu bom resultado na limpeza do rim.

Precisamos de duas cebolas, meio litro de água.
Pomos as cebolas cortadas em quatro numa panela a ferver por 30 minutos.
Após esse tempo, o líquido reduz para metade.
Deixamos arrefecer. Filtramos.



Receita:

Beber por nove dias o cozimento da cebola.
Despejamos o líquido num copo até dois dedos de altura (como mostra a imagem). Beber em jejum e ao deitar.

Durante o dia, beber meio litro de infusão de cavalinha.

Chamo sempre atenção que não é um único fator que causa a doença, logo também não é uma simples receita que “cura” um rim, mas ajuda.
Qualquer tratamento deve ter a sua ação por via interna e por via externa, por isso por vezes torna-se necessário recorrer a um terapeuta que ajude, como por exemplo fazer acupuntura ou tratamento externo natural, etc.