sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Tratamento Natural da Asma




Muito há para falar sobre asma. Desde da asma da criança ao idoso, à asma cardíaca, a variedade é muita e a sintomatologia diverge de pessoa para pessoa.
Não vou explicar o sintoma asma, pois quem é portador desta patologia, conhece bem, quem não é, e se interessa, o mundo online está repleto de dicionários médicos a explicar.



A asma é basicamente um problema inflamatório (como a maioria das doenças), além da medicina convencional e das suas formas de controlar o problema, existe a abordagem das medicinas complementares, e é baseado nestas que eu vou tentar, de uma forma resumida (porque há muito mais a dizer e a fazer) ajudar, quem quiser tomar as rédeas dos seus desequilíbrios de saúde.
Vou explicar um possível tratamento que você pode fazer:

A Alimentação
O que NÃO deve ingerir:

- Todo o tipo de lácteos - não beber leite, qualquer tipo de iogurte, nada que contenha leite.
- Não beber soja – nem leites, nem iogurtes.
- Nada de açúcar – nem bolachas, nem doces (rebuçados, pastilhas, principalmente as sem açúcar), bolos, etc. Substitua por mel, recomendado na asma.
- Nunca beber refrigerantes ou sumos de compra.
- Não beber, ou comer nenhum alimento com adoçantes químicos, tipo edulcorantes ou aspartame.
- Não comer nenhum tipo de comida pré-feita, nem embalada.
- Não à farinha branca – pão sempre de mistura, bem cozido e com côdea. Não concordo com pão tipo panrico, baguetes e companhias. Vamos ao nosso pão tradicional.
- Carne  e peixe – eu recomendo sempre uma alimentação vegetariana, no caso de não se adaptar opte por mais peixe que carne e carnes brancas em quantidades pequenas. Comer peixe ou carne unicamente uma vez por dia.
- Quando em crise, não deve comer fritos, nem molhos.

O que deve introduzir:
- Suco de maçã, simples ou com cenoura. Invistam na saúde, comprem uma centrifugadora, um liquidificador e usem-nos todos os dias, fazendo sumos de frutas e de vegetais.
- Leites - de compra existem os de aveia e de arroz. Mas como estamos em época de crise, aconselho-vos a fazerem os vossos leites. O maravilhoso leite de amêndoa, de sementes de sésamo, de avelã.
- Todos os dias comer fruta, da época. Os citrinos são excelentes. 1 Banana por dia. Não comer fruta como sobremesa, mas como pequeno-almoço, e lanches. OMS recomenda cinco peças por dia.
- Todos os dias comer legumes, no almoço e no jantar. Um muitíssimo importante é o agrião, em medicina chinesa ele é tónico do pulmão. Pode bebe-lo em xarope, cru em saladas (a minha forma preferida), sopa, arroz de agrião, omelete de agrião, etc...
- Comer regularmente cebola e alho.
- Beber agua com limão regularmente.

Outros conselhos:
-O quarto de dormir deve ser arejado todos os dias, ou seja durante o dia abrir a janela.
-Sempre que possível, ensoleirar a roupa de cama e o próprio quarto.  O sol mata todos os ácaros.
- Muito cuidado com os detergentes de lavar roupa, principalmente os amaciadores, o melhor é não usar. Os aromas são sintéticos, muito prejudicial na asma.
- Não usar ambientadores, todos eles prejudicam.
- Atenção aos cremes hidratantes. Em caso de dúvida use óleo de amêndoas doces ou azeite (o meu preferido).
- A natação é um desporto aconselhado aos asmáticos. Eu concordo, é um desporto que beneficia a caixa torácica, mas tem um senão. Nas piscinas é introduzido cloro, que se evapora com o aquecimento das águas, sendo respirado, vai prejudicar o asmático. É preferível as piscinas ao ar livre, durante o verão, e a natação nas praias.

Fazer um diagnóstico de asma é fácil, fazer um diagnóstico da asma num doente é mais difícil e difere de pessoa para pessoa. Muitas podem ser as causas da asma, se olharmos pela perspetiva da Medicina Tradicional chinesa a causa pode ser um vazio do pulmão ou do rim, uma invasão do fígado ao pulmão, uma deficiência do baço, etc… e dependente do diagnóstico da causa que o terapeuta faça, será feito o tratamento.
Se não tem nenhum conhecimento na área da saúde aconselho que visite um terapeuta.
Para aqueles que avançam por conta própria eu receito os seguintes medicamentos homeopáticos, visto eles abrangerem grande parte da sintomatologia da asma.


Tartephedreel- Homacord , gotas orais homepáticas
 Drosera-Homaccord, gotas orais homeopáticas
Tomar de acordo com a prescrição, juntar 10 gotas de cada um. Diluir num pouco de água, e ao beber, deixar permanecer debaixo da língua meio minuto e engolir.
Sempre antes das refeições.
São praticamente isentos de efeitos secundários.
O Drosera-homaccord é muito efetivo nos casos de asma com tosse. Pode sempre, numa situação mais grave, tomar 10 gotas de 15 em 15 minutos, até 1 hora.




Pode tomar Ribes Nigrum Gemoterapico D1
Tomar 30 a 50 gotas diárias, diluídas num pouco de água, afastado das refeições.
Vende-se em Farmacias homeopaticas.







Suplemento alimentar de uma planta indiana, Boswelia .
 Existe à venda simples ou composta com outros ingredientes, neste caso eu prefiro a simples. Estudos indicam que os efeitos sentem-se a partir da 3 semana de toma.
É anti-inflamatória.








Ao deitar, tomar dia sim, dia não Pulmão-Histamina 30CH em grânulos(como mostra a imagem).
3 grânulos de cada vez, deixam-se debaixo da lingua até dissolver.








São grânulos homeopáticos, vendem-se em farmácias homeopáticas ou em parafarmacias.
Em situações de alergia, pode sempre tomar, na propria hora.



Receita:
Jejum: copo de água com limão e mel.
Antes do Pequeno-Almoço: 10 gotas de Tartephedreel + 10 gotas de Drosera-Homaccord.
Meio da manhã: 25 gotas de Ribes Nigrum
Antes do Almoço: 10 gotas de Tartephedreel + 10 gotas de Drosera-Homaccord.
Meio da tarde: 25 gotas de Ribes Nigrum
Antes do Jantar: 10 gotas de Tartephedreel + 10 gotas de Drosera-Homaccord.
                          1 Cápsula de Boswelia
Ao deitar: 3 grânulos de Pulmão-Histamina, dia sim, dia não.

Este protocolo de tratamento deverá ser iniciado fora das crises agudas.






quinta-feira, 29 de novembro de 2012

URTIGA – Seus Efeitos Terapêuticos


Para muitos, é uma planta com má reputação, muitas vezes considerada de erva daninha, que pica.
Percebo que o primeiro trato com ela não é muito agradável, assemelha-se a tudo o que é "rico", tem uma proteção especial, só beneficia aqueles que esquecem a sua parte menos boa, e persistem em crer e em ver a sua grandiosidade.
A mensagem energética da urtiga é recebida pelos nossos corpos com grande satisfação.
Acredito que todos nós encontramos uma razão para a usar.

A urtiga é uma planta silvestre comestível, pode ser preparada como qualquer outra verdura ou em combinação, de qualquer forma ela é um excelente alimento.
Para não picarem devem-se colher com tesoura e luvas, deixa-se repousar por 4 ou 5 horas, desta forma elimina-se o ácido fórmico e já podemos tocar nelas com as mãos.

Veja abaixo as propriedades da urtiga e encontre a razão porque deve toma-la:

 Estimulante do aparelho digestivo
-Protege o fígado e ajuda na sua recuperação em caso de doença hepática.
- Favorece a função biliar – os seus ácidos intervêm no seu poder hepato-protetor.
- Estimula todo o aparelho digestivo, ao aumentar suas secreções, favorece os movimentos peristálticos, o que ajuda na digestão e na eliminação das fezes, por isso é considerada um laxante suave.
Nos casos referenciados acima, recomenda-se a infusão de urtiga – 2 colheres de sopa de folhas secas para um litro de agua – beber 2 copos ao dia, um pouco antes das refeições.

Hemostática
- Previne o fluxo descontrolado do sangue, logo detém as hemorragias.
- Útil nas hemorragias nasais (assim como a cavalinha), na hemofilia e nos transtornos da menopausa com fluxos sanguíneos intensos ou mesmo nas metrorragias (hemorragias uterinas).
Recomenda-se tomar meio copo de suco da planta fresca de manhã e à noite.

Anti- Arteriosclerótica
-O fato de ser verde, de ser rica em clorofila confere-lhe propriedades benéficas no tratamento da arteriosclerose.
 - Melhora a circulação sanguínea
- Melhora a circulação nos olhos, o que a torna preventiva da miopia, da hipermetropia, e do astigmatismo.
Nestes casos a recomendação é de tomar meio copo de suco da planta fresca de manhã e à noite.

Anti-Anémica
- O seu alto conteúdo em ferro torna-a numa das plantas mais importantes na anemia. Neste caso pode beber o suco e comer em sopa e em infusões.

Galactógena
- Aumenta a produção de leite nas lactantes. Deve beber em suco e comer em sopas ou outros cozinhados.

Anti-Hipertrofia Prostática
-A urtiga mostrou inibir (junto com outros fatores) o crescimento desta glândula. Deve-se beber a infusão feita com 2 colheres de sopa da planta seca por litro de água. Deve secar as folhas e raiz, neste caso a raiz é muito importante.

Diurética
-Retira os líquidos supérfluos do corpo, sendo indicada em todos os problemas que beneficiem com a eliminação de líquidos, como na obesidade.
Beber a infusão da planta completa seca.

Icterícia
- A capacidade da urtiga em eliminar toxinas, junto com a propriedade de estimular o fígado e a vesicula biliar, torna-a numa planta a usar na icterícia.
Neste caso, a infusão é mais forte, é feita com 5 colheres de planta seca por litro de agua. Beber 2 copos por dia.


Anti-Diabetica
-É muito antigo o saber, de que a infusão de urtiga desce a glicemia. À pouco tempo falei com uma senhora que me confessou que seus valores de glicemia em jejum andavam perto dos 300 e mesmo medicada não conseguia desce-los. Passou a tomar 2 copos de chá de urtiga e depois de 1 mês passou a níveis normais. Hoje só bebe dia sim, dia não. O que estou a referir não é um estudo, é uma história particular, não significa a solução para a diabetes que invade a sociedade, mas cada um pode experimentar e verificar o feedback.

- A lista pode continuar, pois também tem vantagem nos reumáticos, nos eczemas, nos problemas do couro cabeludo, etc..
Além disso, é um complemento vitamínico pela sua riqueza em Vitaminas B, B2, B5, B9 (ácido fólico), A, C, e E. Como minerais encontramos magnésio, o cobre, zinco, ferro e silício.

Com esta conversa toda, até eu me convenci…vou beber chá de urtiga…
Eu como urtigas??? Não bebo chá de urtigas???
Com sinceridade, eu só tenho usado as urtigas assim carregue

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Suco de Urtigas


Todos os dias de manhã vou ao quintal colher folhas verdes para o meu sumo matinal.
Hoje foi dia de URTIGAS.
O que as urtigas podem fazer por cada um de nós fica para outro poste, garanto-vos é que pode fazer muito, por isso mesmo iniciei hoje os meus sucos de urtigas.
Tenho como plano terapêutico para mim, tomar todas as urtigas do meu quintal e se possível do quintal da vizinha, se não chegar, só tenho de dar uma volta por terrenos baldios e colhe-las.
Não devem ser colhidas junto a estradas com muito transito.

A urtiga é uma planta medicamento da qual eu sou fã, tem tudo para eu gostar dela, é grátis pela Natureza, existe em abundancia, é alimento (pode-se fazer sopa, esparregado, arroz de urtigas etc…), é um medicamento fácil de preparar, tanto em suco como em chá.
Que mais podemos pedir?
Talvez…só a vontade de querer fazer.

Suco de Urtiga

Ingredientes:
-Ramo de urtigas frescas
- 2 Maçãs
- 2 Tanjas
- 1 Pedaço de abobora com sementes
- 1 Cenoura







Colocamos a abobora e a maçã em pedaços pequenos, juntamos as duas tanjas sem pele aos favos, por cima as urtigas.
 Inicialmente a cenoura inteira serve como socador para ajudar a elixe do liquidificador.
Podemos juntar 2 ou 3 colheres de sopa de água para facilitar a trituração.
No fim corta-se a cenoura em pedaços ou rodelas e tritura-se.







Fica uma papa.
Deita-se num recipiente, sobre um pano de coar.










Esprememos muito bem até que saia todo o sumo.

Desta forma tiramos toda a celulose, logo este sumo não precisa de digestão, são só nutrientes.











E, eis o meu sumo desta manhã.
Se é bom????
Penso que qualquer pessoa e qualquer criança o bebe, mas pode começar por colocar menos folhas verdes e mais maçã, depois vai harmonizando segundo o gosto.





Tosse Convulsa

imagem copiada net

O DN noticias, diz que os casos de Tosse Convulsa triplicaram em Portugal.
Ana Leça, diretora dos Serviços de Prevenção da Doença da DGS declarou “ o que aconteceu este ano foi um aumento inesperado do numero de casos, não só em Portugal mas à escala global”, afirmando que o fato de o país estar em pé de igualdade com outros preocupa mais as autoridades, no sentido de perceber o que está na génese da situação. Se fosse só em Portugal bastava ver o que fazíamos diferente para perceber a origem do problema.
Diz ainda: “ em causa não está a falta de vacinação de algumas pessoas, já que a cobertura vacinal em Portugal é de 97%, o atual esquema de vacinação prevê administração aos 2 meses de idade, aos quatro meses, aos seis meses, aos 18 meses e aos cinco anos.
 Também não está afastado o cenário de uma possível alteração da bactéria Bordetella Pertussis.

Pela Internet encontrei muita publicação a falar do surto da Tosse convulsa, principalmente nos EUA e na Austrália.
Uns defendem que a causa pode estar na ineficácia da vacina, na diminuição da imunidade, de pessoas do agregado familiar do bebe estarem ou não imunizados e poderem transmitir a bactéria ou até que a causa é a própria vacina.

O que pensa DGS de Portugal fazer?
Ana Leça diz que estão a ser avaliadas estratégias para responder ao fenómeno e uma das hipóteses é introduzir um novo reforço da vacina na idade jovem ou adulta.

Traga-vos um texto da Natural New, um site americano e o que ele diz da Tosse Convulsa:

A tosse convulsa atingiu níveis epidémicos nos EUA – o maior nos últimos 50 anos, no entanto a maioria das pessoas que contraíram a doença é vacinada. 
 O mais perturbador é que os cientistas suspeitam que as vacinas estejam realmente a causar este surto de Tosse Convulsa devido a mutações da bactéria original em formas mais virulentas.

A tosse convulsa é uma doença extremamente contagiosa do pulmão que pode ser contraída em qualquer idade, mas é especialmente perigosa para as crianças. Bebes e crianças têm a maior taxa de morte devido a complicações que surgem a partir da doença.

Mutação da bactéria relacionada com a vacina, contra a tosse convulsa

Nossa epidemia de Tosse convulsa atual é causada por um novo vírus mortal da bactéria Borderella Pertussis (ptxP3) e seu surgimento está diretamente ligado à vacina contra  a tosse convulsa. De acordo com o artigo,” Epidemia de Tosse Convulsa causada por um novo vírus”, a pesquiza foi feita por Frits R. Mooi que oferece uma teoria sobre o recente aumento desta doença.
Ele aponta que a cepa foi isolada pela primeira vez nos EUA em 1984 e que nas vacinas foram sendo substituídas as cepas originais (ptxP1) por cepas mais virulentas (ptxP3).
Isto pode explicar porque taxas de tosse convulsa são altíssimas para aqueles que foram vacinados – bactérias mutantes adaptam-se à vacina, muito parecido com o que acontece com os antibióticos, onde superbacterias ficam imunes a estes.
O artigo, Whooping Cough Epidemic Caused By Virulent New Pertussin Strain afirma que a“ a bactéria ptxP1 que é a pertussis original foi gradualmente sendo substituída pelo ptxP3 que mostra um grau elevado de polimorfismo, além disso parece que a ptxP3 não foi encontrada na era pré-vacinal.

A polémica em volta das vacinas é grande, uns são a favor, outros contra, outros a favor mas não da forma como estão a ser feitas nem como estão a ser administradas.
Quanto a mim, não vou-me pronunciar muito sobre este fato, não sou conhecedora do “porquê deste surto de Tosse Convulsa”, quanto à vacinação, defendo uma vacinação livre, onde cada um se informa e escolhe a posição a tomar sobre si e sobre seus filhos.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Agrião e suas Propriedades

Todos os sábados encho minha cozinha de energia verde. Quero que esta energia chegue á minha alma e que eu fique também verde. 
É a cor da natureza, da erva, da clorofila, do ecológico. 
Enquanto Humanidade, precisamos urgentemente de “sermos verdes”.
Um desses verdes é o AGRIÃO




Nos tempos antigos, gregos e romanos, consideravam o agrião um tónico cerebral, acreditavam que se comessem mais agrião aprendiam mais depressa (será que está a faltar agrião nas nossas escolas?). Mães persas davam este legume aos seus filhos para que eles crescessem fortes e altos.

O Agrião está entre os vegetais mais nutritivos:
- Ajuda em todos os problemas pulmonares: asma, bronquite, tuberculose, catarros brônquicos, tosses rebeldes, expectorações purulentas.

- Tem propriedades anti-cancro – segundo um estudo, quanto mais agrião menos cancro.

- Ajuda os olhos: contém luteína e zeaxantina.

- Ajuda a normalizar a pressão arterial.

- Aumenta a energia sexual e a fertilidade.

- Pode ajudar a função mental e a retardar o envelhecimento.

- É um limpador do corpo, activa a circulação sanguínea.

- Muito importante nas mãmãs, pois estimula a produção de leite materno (o melhor alimento/medicamento para os bebés). Cuidado, o agrião comido cru deve ser bem higienizado, juntar umas gotas de peróxido de hidrogeno (agua oxigenada), vinagre de sidra ou limão à água da lavagem.

- Baixo em calorias, rico em potássio e iodo (importante na função da tiróide) obrigatório nas dietas de emagrecimento.

- Diurético, elimina líquidos. Ex: edemas, retenção de líquidos.

- Ajuda na digestão e é laxativo, regulador do fluxo da bile. Ajuda na obstipação.

- Mastigar folhas (pode ser em salada) de agrião cru cura o sangramento das gengivas. Cura rapidamente as aftas (estomatite aftosa).

- É rico em cálcio, fortalece ossos e dentes.

As razões são muitas para se comer agrião.
Pode ser comido em saladas, em sumo (juntamente com maçã), ou cozinhado.



Depois das compras, é hora da arrumação.
Separo as folhinhas verdes dos talos.
As folhas são comidas em saladas.
Os talos, aproveito para fazer arroz, não se pode deitar nada fora.






Coloco dentro de sacos individuais, ajusto  para sair o ar.
 Duram no frigorifico uma semana.






A salada cá de casa:
Ingredientes: alface, agrião, beterraba e cenoura ralada, coentros. 
Tempero com sal marinho, sumo de limão, folhinhas  de orégãos e azeite extra-virgem (existem muitos tipos de azeite, alguns deles são azeites refinados. Atenção não tem vantagem na Saúde.).

Espero não ser chata com as minhas explicações, mas o meu objectivo é fazer-vos comer agrião.
 Estou-me a perguntar porquê? não sei bem responder, é como uma necessidade de comunicar aquilo que acredito, por isso vou continuar...



Doenças da mente ou desequilíbrios do corpo?

imagem copiada net

Depressão, nervosismo, irritabilidade, ansiedade, pânico, fobias, traumas de infância, etc.,
Estas palavras são nos bem familiares, ouvimo-las muitas vezes, como diagnóstico do nosso mal-estar.

Mas…será que estas “doenças mentais” não têm as costas largas?
Quantas vezes o nervosismo, a irritabilidade não é causado por um desequilíbrio do Fígado?
O sofredor de fígado é um infeliz nas suas mazelas, tem inveja, irrita-se com facilidade, é mesquinho e vingativo, mas tudo isto deve-se à sua condição orgânica, aos seus “maus fígados”.
O ter medo, o sofrer de ansiedade pode ter como causa uma insuficiência do rim e das supra-renais.
O estado deprimido dos jovens pode dever-se às más notas nos exames, mas também à escassa produção de tiroxina pela glândula tiroide.

Derivam os nossos estados mentais desequilibrados, unicamente de causas mentais ou têm uma componente orgânica?
O contrário também pode ser perguntado: o estado da mente não influencia o estado do corpo físico?
Somos como uma moeda, temos a cara e a coroa e uma interfere na outra e vice-versa.
Podemos dizer, “ mente sã em corpo são” ou “ corpo são com mente sã”.

Henri Baruk, um francês neuro-psiquiatra disse. “ Numerosos mecanismos fisiológicos podem ser, com efeito, origem de perturbações mentais”.

Para deixarmos desabrochar a paz, alegria e todas as boas emoções que todos temos dentro, temos que ser saudáveis.
Os iogues sabem que os exercícios mentais, como a meditação, o estar no “agora”, o estar uno, só são atingidos, quando se consegue o “silencio do corpo”, isto é quando o corpo está bem, sem necessidade de reclamar.
Podemos dizer que os desconfortos orgânicos são obstáculos ao aprofundamento da Consciência.

Tratamento Natural da Bronquite

Imagem copiada da net
Na filosofia da cura Natural TUDO ESTÁ CERTO.

Então, porque tenho bronquite?
O corpo permitiu ou provocou este desequilíbrio inflamatório nos brônquios, para poder eliminar toxinas internas.

Que devo fazer ou não fazer para me sentir melhor?
Em primeiro lugar não deve ir contra a sabedoria do corpo, antes ajuda-lo a equilibrar de uma forma “não forçada”, eliminando os factores que poderão agravar a situação.
Numa situação de bronquite, tudo aquilo que eu colocar para dentro de mim, alimentar ou não poderá ajudar ou prejudicar.
Cooperando com a ideia de que o corpo é que cura, vamos arregaçar as mangas e ajuda-lo.

Como?
Não podemos desperdiçar energia com a digestão, pois ela é necessaria para a cura, então durante a fase aguda da bronquite, com tosse, febre, dor no peito, vamos descansar o mais possível e vamos beber sumo de laranja diluído unicamente, até os sintomas agudos passarem.
Na bronquite crónica, iniciamos com uma dieta de 5 a 7 dias de frutas e depois adoptamos o Crudivorismo, ou seja uma dieta baseada em frutas, vegetais, sementes com muitos sucos vitamínicos.

- Beber água. A primeira coisa a fazer é hidratar o corpo, para que a expectoração possa se tornar mais fluida, e ser eliminada atravez da tosse.
Beber agua com limão, podendo adoçar com mel

 -Amêndoas de casca - beber leite de amêndoas ajuda a controlar acidez interna, logo vai ajudar na bronquite.
Se pretender pode picar 7 amêndoas na picadora (picadora 1,2,3), e juntar o pó a um sumo de laranja ou limão. Deve tomar todos os dias.

- Existem vários alimentos que são verdadeiros medicamentos para a bronquite, como o rábano, o gengibre, alho, cebola, a pimenta, o açafrão pois aquecem o corpo e ajudam a movimentar a expectoração.
Chamo atenção, para que cada um de nós, aprenda a sentir o corpo, se tem sensação de frio, se lhe sabe bem beber bebidas quentes pode aumentar a quantidade de especiarias picantes, mas se sente calor, se gosta é de água fria, não deve exagerar.

- Cebola – possui propriedades expectorantes. Faça sumo de cebola, misture mel e beba. Outra opção é deixar rodelas de cebola a macerar em azeite durante a noite, e no dia seguinte cobrir com mel e comer.

- Há quem defenda o uso do espinafre cru na bronquite. Junte folhas às saladas. Faça suco de maçã com folhas de espinafre.

- Misture 1 colher de chá sementes de sésamo (gergelim), 1 colher de chá de sementes de linhaça, 1 pitadinha de sal marinho. Pique na 1,2,3.
Junte ao leite de amêndoas, ou a um sumo. Beba esta mistura diariamente.

- Abacaxi – corte rodelas de abacaxi, cubra com mel. Deixe de um dia para ao outro. Vá bebendo às colheradas.

 Além de todas estas recomendações alimentares, também pode fazer um escalda-pés, onde junto com a água quente adiciona gengibre, ou mostarda em pó, para desviar o sangue para os pés descongestionando o peito.
Uma fricção no peito e costas com vaselina, à qual se adicionou gengibre em pó, também dissolve bastante a expectoração.

Dentro da área Natural, existe muitas outras ajudas disponíveis, mas o tratamento de hoje baseia-se naquilo que é o mais simples, e no que está mais à mão, não deixando por isso de dar os seus resultados.

Uma das grandes possibilidades é Aumentar a Saúde e tratar a doença…

URTICARIA PELA HOMEOPATIA


“A urticaria é uma perturbação que pode ser aguda ou cronica.
Traduz-se por um inchaço na pele (edema) acompanhado frequentemente, de comichões e por vezes de vesiculas.

Remédios Homeopáticos do Estado Agudo
O primeiro remédio é APIS MELLIFICA 7CH , 3 grânulos, de cinco em cinco minutos.
 É particularmente indicado se a urticaria provocar muito calor, com melhora dos sintomas mediante a aplicação de água fresca.




O segundo remedio é URTICA URENS 5CH, 3 grânulos de cinco em cinco minutos.
 É particularmente indicado quando a urticaria vem acompanhada de comichões intensas e quando alterna com dores.
É igualmente possível alternar a administração dos dois medicamentos a cima.









Em caso de urticária com vesiculas, convém tomar RHUS TOXICODENDRON 7CH, 3 grânulos de cinco em cinco minutos.”








Extraído do Livro Dr. Gérard Pacaud

Nós curamos o Autismo de nosso filho


Por Karyn Seroussi
Tomado de PARENTS Magazine, edição de Fevereiro de 2000
imagem retirada net
Quando o psicólogo que estava a examinar nosso filho de 18 meses nos diz que acreditava que Miles tinha Autismo, meu coração começou a bater forte. Não sabia o que queria dizer esta palavra exactamente, mas sabia que era mau. Não era o autismo uma doença mental – quem sabe esquizofrenia da juventude? Me lembrei de ter ouvido dizer que este transtorno era causado por traumas emocionais na infância. Naquele momento, todas as ilusões de segurança no mundo desapareceram.

Nosso pediatra nos referiu uma consulta ao psicólogo em Agosto de 1995 porque Miles não compreendia nada daquilo que dizíamos. Ele tinha-se desenvolvido de uma forma perfeitamente normal até aos 15 meses, mas aí tudo se complicou, deixou de dizer palavras que tinha aprendido – vaca, gato, dançar – e começou a se interiorizar, a desaparecer de si mesmo. Supusemos como causa do seu silêncio as suas infecções crónicas de ouvido, mas depois de três meses, ele realmente tinha-se retirado para o seu próprio mundo.

Repentinamente, nosso filho feliz, já nem reconhecia a irmã de 3 anos. Miles não olhava directamente e nem sequer tentava comunicar. Seus actos tornaram-se cada vez mais estranhos. Ele arrastava a cabeça pelo chão, caminhava com a ponta dos pés (muito comum nos autistas, fazia sons estranhos com a garganta, passava largos períodos a repetir as mesmas acções, tais como abrir e fechar portas, ou enchendo e esvaziando uma taça de areia. Ás vezes gritava inconsolado, se negava a receber abraços e desenvolveu diarreia crónica.

Logo aprendi que o autismo – Desordem do espectro autista, como chamam os médicos - não é uma doença mental.
É uma deficiência no desenvolvimento, que se pensa ser causada por uma anomalia no cérebro.
 O National Institutes of Health estima que pelo menos 1 em cada 500 crianças está afectada. Mas segundo alguns estudos recentes a incidência está a aumentar rapidamente.
Na Florida, por exemplo, o numero de crianças autistas tem vindo aumentar em quase 600% nos últimos 10 anos.
No entanto, embora seja mais comum do que a síndrome de Down, o autismo continua a ser um dos transtornos de desenvolvimento pouco compreendido.

Nos disseram que quando crescesse, Miles iria estar severamente incapacitado. Que não ia fazer amigos, não ía ter uma conversa com sentido, não conseguia acompanhar as outras crianças numa escola normal e não ia conseguir viver independente. Somente podíamos esperar que a terapia comportamental lhe ensinasse algumas habilidades, que ele sozinho nunca iria desenvolver.

Eu sempre pensei que a pior coisa que podia acontecer a uma pessoa era perder um filho. E naquele momento, era o que me estava acontecer, e de uma maneira perversa e inexplicável.
No lugar de receber apoio, recebi olhares de desconforto por parte dos amigos.

Depois do diagnóstico inicial de Miles, eu passava horas e horas na biblioteca, investigando a razão pela qual meu filho tinha mudado tão repentinamente. Foi quando eu olhei um livro que mencionava um menino autista cuja mãe acreditava que os seus sintomas tinham sido provocados por uma “alergia cerebral” ao leite.

Eu nunca tinha ouvido falar nisto, mas esta ideia permaneceu na minha mente, porque Miles bebia muito leite. Também recordei, que poucos meses antes, minha mãe tinha lido que muitas crianças tinha infecções crónicas de ouvido devido alergia ao leite e ao trigo. Ela dizia: “ tu devias eliminar esses alimentos da alimentação do Miles e ver se os ouvidos melhoravam”. Eu insistia: “ mas leite, massa, queijo e cereal Cheerios são as únicas coisas que ele come, se as elimino, ele morrerá de fome”.

As infecções de ouvido de Miles tinham começado quando ele tinha 11 meses de idade, precisamente quando mudamos do leite de Substituição para o leite de vaca. Ele tinha bebido o leite de substituição até aquela altura, porque minha família tinha um historial de alergias. Eu tinha-o amamentado até aos 3 meses, mas ele não tolerava muito bem o leite materno – talvez porque eu bebesse muito leite. Então não havia nada a perder e decidi eliminar todos os lácteos da sua dieta.

E deu-se um milagre. Miles deixou de gritar, e já não passava tanto tempo a repetir tarefas, após uma semana já descia as escadas sozinho. Pela primeira vez em meses permitiu ser levado pela mão da sua irmã e ouviu-a cantar-lhe uma canção.

Duas semanas depois, ou seja um mês após ter sido observado pelo psicólogo, eu e meu marido voltamos ao pediatra para confirmar o diagnóstico de autismo.
 A Drª. Susan Hyman fez-nos muitas perguntas e vários testes a Miles. Nós descrevemos as mudanças de comportamento desde que deixou de consumir produtos lácteos. Finalmente a Drª Hyman nos olhou com tristeza e nos disse: “Sinto muito. Seu filho é autista. Admito que o assunto da alergia ao leite é interessante, mas acredito que não é o responsável pelo autismo de Miles, ou da sua recente melhoria.”

Miles surpreendeu a todos
Sentiamo-nos muito desencorajado, mas á medida que passava os dias, Milles continuava melhorando. Passado uma semana, sentei-o no meu colo e olhamos nos olhos um do outro, ele sorriu.
Chorei – finalmente ele parecia saber quem era. Até então, tinha ignorado a irmã, mas agora viu-a a jogar e até se chateou por ela tinha mexido nas suas coisas.
Milles passou a dormir bem, mas a sua diarreia continuou.
Iniciou um programa de conduta de comportamento e linguagem, que a Drª.Hyman tinha aconselhado.
Sou uma mulher por natureza céptica e meu marido é  investigador científico, e nós resolvemos testar a hipótese de o leite ser a causa de alteração de comportamento do Milles.
Numa manha coloquei-lhe óculos, mas no final do dia já estava andando em bicos de pés, com a cabeça pelo chão, a fazer sons estranhos e outros comportamentos que eu já tinha esquecido. Descobri que ele tinha comido queijo na charcutaria. Fiquei completamente convencida que os produtos lácteos estavam relacionados de alguma forma ao Autismo.

Eu queria que o Dr.ª Hyman visse como Milles estava, então enviei-lhe um vídeo, com ele o pai e a irmã a brincarem. Ela ficou muito surpreendida com o desenvolvimento de Milles, até disse: “ Karyn, se não tivesse sido eu a fazer o diagnostico, não acreditava que era a mesma criança”.

Eu, tinha de descobrir se as outras crianças tinham experiencias semelhantes e descobri um grupo de apoio ao autismo na internet. E, com alguma vergonha, perguntei: “será que o autismo do meu filho está relacionado com o consumo de leite?”
A resposta foi esmagadora. Perguntaram se eu não tinha ouvido falar do Dr. Karl Reichelt na Noruega? Ou de Paul Shattock de Inglaterra? Eram dois pesquisadores que tinham relatórios de quase 20 anos, provando que os produtos lácteos agravam os sintomas de autismo.
Meu marido que tem conhecimento de química copiou artigos de jornais, e da internet e estudou tudo detalhadamente.
Tomou conhecimento de que existia a teoria, que as crianças com autismo  "quebravam" as proteínas do leite (caseína) em peptídeos, que por sua vez afectavam o cérebro da mesma maneira que drogas alucinógenias.
Um grupo de cientistas – alguns eram pais de crianças autistas – tinham descoberto compostos com opiáceos – uma classe de substâncias, que incluíam ópio e heroína – na urina de crianças autistas.
 Os investigadores teorizam que estas crianças tem falta de uma enzima que quebra os peptídeos de uma forma digerível, como tal não acontece os peptídeos infiltram-se na corrente sanguínea antes de serem digeridos.
Com alguma emoção, eu percebi que a explicação fazia sentido, pois meu fillho, Milles tinha tido um desenvolvimento normal no seu primeiro ano de vida, ou seja, antes de entrar nos produtos lácteos. E também explicava a sua vontade de querer sempre mais leite. Os opiáceos são muito viciantes, e mais, o autismo é muitas vezes comparado com as atitudes de alguém que alucina com LSD.
Outra proteína que se decompõe de maneira tóxica é o glúten – que se encontra no trigo, no centeio, na aveia e que é adicionado aos alimentos embalados. Ficou claro que o glúten também tinha que desaparecer da sua dieta. Embora tivesse uma vida ocupada, tive que aprender a cozinhar sem glúten. As pessoas com doença celíaca também são intolerantes ao glúten.
Após 48 horas sem glúten, e com 22 meses, Milles fez pela primeira vez fezes sólidas e seu equilíbrio e cordenação motora melhorou drasticamente. Um ou dois meses depois, começou a falar – dizer, por exemplo –“zawaff” quando queria dizer girafa, e “ayashoo” quando queria dizer elefante.
No entanto, o seu pediatra, o gastrenterologista, medico que o seguiam desde o nascimento – ainda zombavam da ideia de ligação entre o autismo e a dieta. Embora a intervenção dietética fosse uma terapia segura, não invasiva para o tratamento do autismo, mesmo havendo estudos a comprovar, a maioria da comunidade médica não dava a menor importância.
Como tal, tínhamos de continuar sozinhos, então eu e meu marido começamos por assistir a conferências sobre autismo, a comunicarmo-nos com investigadores europeus. Também organizamos um grupo de apoio para pais de outras crianças autistas na comunidade. Embora alguns pais não tivessem interessados em explorar a mudança dietética em primeiro lugar, muitas vezes mudavam de ideias ao conhecer Milles.

Nem todas as crianças com autismo respondem positivamente à dieta, mas havia cerca de 50 famílias cujos filhos estavam a faze-la e tinham resultados animadores.

Felismente, encontramos um novo pediatra, que nos deu muito apoio, e Milles estava indo tão bem, que eu pulava da cama todas as manhãs para ver alterações nele. Um dia, quando já tinha 2 anos e meio, e agarrou um dinossauro para me mostrar, e disse: “ Wook, mamãe  issa tywannosaurus wex”. Surpreendida, segurei suas mãozinhas e disse: “chamas-te me mãe”, ele sorriu e deu-me um abraço que durou muito tempo.

Quando Milles completou 3 anos, todos os médicos concordaram que seu autismo tinha sido curado. Seus testes apresentavam um rendimento de 8 meses acima da sua idade nas áreas: social, linguagem, auto-ajuda e habilidades motoras. Entrou para a pré-escola, sem apoio especial. Seu professor disse-me que era uma das crianças mais agradáveis, faladoras e participativas na sala de aula.

Actualmente com 6 anos é uma criança normal. Lê, tem amigos, relaciona-se muito bem com sua irmã e brinca com jogos imaginativos, procedimentos nunca visto em crianças com autismo.

Meus medos nunca se tornaram realidade. Somos muito afortunados.

No entanto, eu imaginava outros pais na mesma situação e sem terem a sorte de ter conhecimento da dieta. Dai, em 1997  iniciei um folheto informativo, junto com uma organização de apoio internacional chamada rede Autismo para intervenção dietética (ANDI), juntamente com outra mãe, Lisa Lewis, autora de "dietas especiais para crianças especiais" (editora Future Horizons, 1998).
Recebemos centenas de cartas de pais de todo o Mundo, cujos filhos tem usado a dieta com sucesso.
Infelizmente, a maioria dos médicos permanecem cépticos.

Continuei a investigar o que tem vindo a emergir sobre o autismo e para mim é um distúrbio relacionado ao sistema imunológico.
A maioria das crianças autistas faz vários tipos de alergias alimentares para além do leite e do trigo.
Quase todos os pais de autistas do nosso grupo são pessoas com historial de doenças relacionadas com o sistema imunológico: doenças de tiróide, doença de crohn, doença celíaca, artrite reumatóide, síndrome de fadiga crónica, fibromialgia, ou alergias. Crianças autistas podem ter uma predisposição genética para anormalidades do sistema imunológico, mas o que é que faz com que a doença desencadear?

Muitos pais juram que o comportamento de seus filhos autistas começou aos 15 meses, após a toma da vacina tríplice (sarampo, papeira, rubéola).
Ao ver os vídeos e fotos de Milles com 15 meses, tive de admitir que ele começou a perder as suas competências linguísticas e sociais após ter tomado a vacina tríplice (em inglês MMR), tanto que após a toma tivemos que leva-lo no centro de saúde pois tinha febre de 40º e convulsões febris.
Recentemente, um pesquisador britânico, Dr. Andrew wakefield publicou um estudo, no qual responsabilizava a vacina do sarampo de danificar o intestino delgado – o que pode ajudar a explicar o mecanismo pelo qual os peptídeos alucinógenios passam para a corrente sanguínea. Se, se verificar que a vacina tríplice, desempenha um papel importante no aparecimento do autismo, podemos investigar que crianças são mais susceptíveis, para que não venham a ser vacinadas ou então numa idade posterior.

Pesquisadores da divisão Ortho Clinical Diagnostics da Johnson & Johnson, sendo meu marido um deles – estão a estudar a presença anormal de peptídeos na urina de crianças autistas. Minha esperança é que a dieta passe da esfera da medicina alternativa para a convencional.

A palavra autismo não tinha significado para mim,  mas mudou completamente a minha vida. Chegou a minha casa como um hóspede monstruoso que não tinha sido convidado, mas tenho de admitir que trouxe seus próprios presentes. Eu me senti abençoada duas vezes – uma foi a maravilhosa fortuna de recuperar o meu filho e também por ter sido capaz de ajudar outras crianças autistas que foram desenganadas pelos médicos.
Para conhecerem mais sobre o autismo e a autora desta historia carregue

Tratamento Natural Queda de cabelo.


É normal cair cabelo, principalmente no Outono.
 Diz-se” caída da folha, caída de cabelo”, no entanto existe um limite para essa queda. Se cai muito, ou seja, a escova fica cheia de cabelo, a banheira onde toma banho , etc, então é hora de fazer algo para o salvar.

Para mim a alimentação é sempre o ponto de partida, de qualquer tratamento, então vamos comer mais frutas, mais verduras, mais brotos.
O pólen, a spirulina e infusões de cavalinha são bons suplementos.

Vamos a um tratamento bem antigo, da época em que as mulheres tinham o cabelo até aos pés?
“Alecrim , alecrim aos molhos, por causa de ti choram os meus olhos”AH!! Mas crescem os meus cabelos.

AH, pois… o Alecrim é famoso nos tratamentos da calvície, tanto internamente (beber um saboroso chazinho, e neste momento em Portugal faz tanto frio – que bem que sabe. Não gosta muito? Aromatize com uma casca de limão e adoce com mel), como externamente.
Se conhecer o Alecrim ( rosmarinus officinalis), pode apanha-lo na borda de jardins, ou pedir a alguém que tenha no quintal (em Portugal é muito comum), ou comprar um saquinho dele seco na ervanária, o importante é conseguir o” salvador de cabelos”.

Corta-se em pedaços pequenos, deixa-se ferver 20 minutos.

Tapa-se a panela, o tacho ou o fervedor, o que usarem.


Deixa-se arrefecer.

Quando estiver morno ou mesmo frio:
Deita-se para o liquidificador e bate-se muito bem, como mostra a imagem.

 Passa-se pelo passador.

O liquido que se obtêm, junta-se num frasco, metade shampo, metade liquido.

Agora, só falta lavar a cabeça.
O shampo fica mais liquido, agita-se um pouco antes de usar para envolver bem.

O resto do liquido, deita-se numa bacia com água, e após lavar a cabeça como se faz habitualmente, enxagua-se os cabelos nesta mistura envolvendo bem e molhando bem o couro cabeludo.  
É garantido ( a não ser que tenha problemas de saude mais graves, que tem que ser avaliado, como por exemplo: anemia), os seus cabelos vão ficar fortes e brilhantes.

Cuidado com o stress, ele desmineraliza por isso temos de viver em paz e em tranquilidade, se não nem o cabelo aguenta.


Permeabilidade Intestinal – uma causa por trás de muitas doenças.

imagem copiada net

Nossos intestinos medem à volta de 7 metros e entre as suas várias funções têm duas muito importantes.
 Uma é a digestão e a absorção de alimentos, a outra é ser a barreira de proteção da entrada do nosso organismo de compostos tóxicos e de macromoléculas, isto quer dizer que se as paredes do intestino estiverem em bom estado, os nutrientes são bem absorvidos e as toxinas do bolo fecal não conseguem passar para a corrente sanguínea. 

Muito mau, é quando se dá o contrário, quando existe PERMEABILIDADE INTESTINAL, que permite que partículas mal digeridas e toxinas consigam entrar na corrente sanguínea em grande quantidade, o que facilita ou privilegia o aparecimento de doenças.
Percebemos com isto, porque a Medicina Natural dá tanta importância ao intestino? Porque todas as curas têm de começar pela boca e pelo equilíbrio do intestino?

Nos países mais “desenvolvidos”, as alergias estão bem presentes. Existem vários fármacos para o problema, mas será que as alergias são uma falta destes medicamentos? Qual será a causa das alergias?
Para a Medicina Natural, é a permeabilidade intestinal, ou seja a parede do intestino inflamada “permite” que passe para a corrente sanguínea macromoléculas,  e nosso sistema imunitário as deteta e principalmente nas crianças, põe em marcha uma serie de medidas de urgência para bloquear o que entrou para o organismo e não devia. O corpo vai inflamar “o que entrou e não devia”, se este se localizar no ouvido, haverá otite, se no nariz sinusite e assim por diante…

Porque cria o corpo toda esta guerra, da qual nós sofremos os efeitos?
Os alimentos mal digeridos são interpretados pelo sistema imunitário como intrusos, dos quais ele tem de se defender. Sabe-se que algumas partículas mal digeridas e absorvidas podem formar complexos que chegam ao cérebro e criam sintomas como ansiedade ou depressão. Mais uma vez vemos aqui a relação do intestino com doenças “mentais”, que no fundo não são mentais.

A integridade do nosso intestino é mantida principalmente através do equilíbrio da flora intestinal.
É a alteração deste equilíbrio – Disbiose - que faz com o intestino seja o ponto de partida para inúmeras desordens metabólicas, baixa imunidade, desordens cognitivas, doenças cronicas e degenerativas. Mas isto não é novo, há muito que se podia ter chegado à causa das doenças, antes de Cristo Hipócrates disse “ todas as doenças começam no intestino”.
Não existe saúde, sem um intestino saudável, nem memoria, o intestino é considerado um segundo cérebro, ele abriga mais de 100 milhões de neurónios, que funcionam de maneira autónoma.

Já reparou, que nossos intestinos são por comparação como raízes, que selecionam, transformam e sintetizam os elementos nutritivos? Já pensou na responsabilidade dele em relação á sua saúde? E, agora já pensou na sua responsabilidade em relação à saúde dele?

O que causa esta alteração, o que leva o intestino a ser permeável?
Não é preciso saber-se muito, basta pensar, de certeza que é tudo aquilo que chega até ele (que entra pela boca) mas que não lhe é indicado.
 Muitos apontam como fatores o seguinte:
- Excesso de antibióticos e outros medicamentos
- Dieta pobre em verduras e frutas e rica em gorduras e proteínas animais.
- Digestão lenta, por falta de enzimas (comida sempre e muito cozida), má mastigação (ver televisão, discutir, pressa, etc).

Lezaeta disse: “toda a doença tem as suas raízes no ventre, não há doente com boa digestão”.